domingo, 18 de novembro de 2012

A solidão do Gigante

“Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!

Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.”
(Trecho do poema “Mar Português”, de Fernando Pessoa, 1888-1935)

***

O gigante irrequieto contempla os minúsculos seres que margeiam seu corpo. Agrupam-se em cadeiras, barracas, embaixo de guarda-sóis, alguns estirados como em reverência. O gigante irrequieto está azul, ora verde, ora cor de chocolate. E quando o vento assanha sua pele, ele esbraveja e gesticula com os braços exagerados.

Mas a raiva maior do gigante irrequieto é quando os minúsculos seres – como mosquitos infames – abandonam em sua larga anatomia os seus variados dejetos, principalmente, os de plástico, mortais para os outros e preciosos seres que lhe são amigos de fato.

O gigante irrequieto é criador de variadas formas de vida – maiúsculas e minúsculas. Reflete o céu na extensão de suas formas, no vidro de seus olhos mudos. O gigante irrequieto tem personalidade e, por isso, se sente, invariavelmente, invadido quando seres desrespeitosos penetram, sem pedir licença, nas entranhas de seu organismo.

O gigante irrequieto tem outros irmãos de outros nomes distribuídos pelo globo terrestre e, pelo que sabe pela língua dos ventos, eles também sentem as mesmas angústias que ele. Os seres minúsculos que mais o incomodam pertencem a uma classe requintada pois, além de se locomoverem de vários modos, constroem inventos capazes de explorar as riquezas existentes no seu imenso corpo. Poucos fazem poemas e canções para sua existência exuberante. Muitos ignoram a razão de sua vida e são omissos com o que poucos planejam para sua completa subserviência.

O gigante irrequieto fecha os olhos ardidos de sal. Somente um velho poeta testemunha as lágrimas incompreendidas em plena areia.

Farias, Juarez Machado de. "A solidão do Gigante". Novembro de 2012. http://livredialogo.blogspot.com.br/
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported. Deve ser citada conforme especificado acima.
Licença Creative Commons
Baseado no trabalho em livredialogo.blogspot.com.br.
Permissões além do escopo dessa licença podem estar disponível em discente.farias@gmail.com.

1 comentários:

  1. Farias ..

    Muito curioso esse assunto. Conta mais...tem vídeo? pesquisa sim?

    Magnífico... abçsss

    Além da pareceria com Fernando Pessoa - que não cabe aqui comentar...

    .... bye


    Visite http://lendasdecaissa.blogspot.com.br/2012_08_01_archive.html

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, pois sua opinião é muito importante!
Volte sempre!

 
Licença Creative Commons
Diálogo Livre de Farias, M. S. et alia é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.
Baseado no trabalho em livredialogo.blogspot.com.br.
Permissões além do escopo dessa licença podem estar disponível em discente.farias@gmail.com.