sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Origem da Semana Farroupilha.

   Há 62 anos, à meia noite do dia 7 de setembro de 1947, antes do Fogo da Pátria ser extinto, Paixão Côrtes, Cyro Ferreira, Antônio Siqueira, Orlando Degrazia, Fernando Vieira, Cyro Costa, Cilço Campos e João Vieira, compunham “Os oito bombachudos”, como viriam a ficar conhecidos. Eles capturaram uma fagulha da chama da Pira da Pátria utilizando um cabo de vassoura com trapos enrolados na ponta e transladaram esta fagulha a cavalo até o saguão do colégio Júlio de Castilhos, situado na cidade de Porto Alegre, onde esta permaneceu acesa em um candeeiro crioulo até o dia 20 de setembro em homenagem a os líderes farroupilhas. Estava então formada a 1ª Ronda Crioula da História. Durante esta ronda foram realizadas muitas atividades artístico-culturais com apresentações de gaiteiros, declamadores, dançarinos etc. Participaram da festividade Luiz Carlos Barbosa Lessa e Glaucos Saraiva. E para encerrar a 1ª Ronda Crioula, foi realizado o 1° Baile Gauchesco da história, o popular Fandango, no Teresópolis Tênis Clube de Porto Alegre, que contou com churrasco, pastel de carreira, café de chaleira, hora de artes e concursos de trajes gaúchos, que hoje são popularmente conhecidos por pilchas.

   Com o transcorrer do tempo, as comemorações da Ronda Crioula tornaram-se a Semana Farroupilha que em seu começo era distinta de hoje. Não tratava-se de uma festa com fins comerciais, e sim culturais. Cada piquete tradicionalista realizava a sua comemoração e no dia 20 reuniam-se todos em desfile.

    A Chama Crioula é considerada o fogo símbolo da fraternidade, ardor, paixão, hospitalidade e coragem. Representa o gaúcho idealizado no espírito heroico dos Farroupilhas, como ideais de justiça e liberdade, visando à aproximação dos povos.

   Barbosa Lessa e Paixão Cortes são as figuras mais representativas da cultura gaúcha, à sua época perceberam que nossa cultura estava se esvaindo, sendo aculturada. Dispuseram-se então a ir à campo pesquisar e restaurar nossas tradições. A cena do primeiro parágrafo, dos “Oito bombachudos”, não narra que, no trajeto até o colégio eles foram insultados e reprimidos pelos transeuntes que desprezavam o tradicionalismo. A perda dos valores culturais típicos do Rio Grande do Sul era tamanha, que se podia ser agredido caso se andasse pilchado na Rua da Praia. Talvez, se estes dois nomes, sobretudo, não tivessem se esforçado em reavivar a chama do tradicionalismo no coração dos gaúchos, em resgatar nossa cultura, fossemos hoje um povo alienado, sem fibra, influenciado pelos modismos meramente, afinal, como diz o Hino Rio-grandense: “Povo que não tem virtude acaba por ser escravo”.

   Hoje, novamente estamos passando por este infeliz processo de aculturação. Há muito que a Semana Farroupilha vem perdendo seus valores culturais - atualmente sequer a chamam de Semana, mas de Festa Farroupilha aqui em Piratini, prova concreta da ignorância de seu significado; estão transformando-a em uma simplória fonte de renda, um evento comercial, sem mais. Caso continuemos nesse rumo, será preciso que dentro em pouco surjam indivíduos dotados de inteligência, do mesmo caráter tradicionalista e audacioso como os nomes supracitados. O vídeo abaixo fala exatamente sobre isso, assistam-no, por favor. A música chama-se "De pura cepa", interpretada por Xirú Missioneiro.



Farias, M. S. "Origem da Semana Farroupilha". Setembro de 2012. http://livredialogo.blogspot.com.br/
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported. Deve ser citada conforme especificado acima. 

Licença Creative Commons
Baseado no trabalho em livredialogo.blogspot.com.br.
Permissões além do escopo dessa licença podem estar disponível em discente.farias@gmail.com.

4 comentários:

  1. SEU BOSTAS
    TA TUDO ERRADO ESSA MERDA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinta-se livre para apontar os erros e, se desejar, sugerir a retificação.

      Excluir
  2. ai galera do ceja fudeu

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar, pois sua opinião é muito importante!
Volte sempre!

 
Licença Creative Commons
Diálogo Livre de Farias, M. S. et alia é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.
Baseado no trabalho em livredialogo.blogspot.com.br.
Permissões além do escopo dessa licença podem estar disponível em discente.farias@gmail.com.

Blog Archive